Veículos: Leilões devem desafogar pátios em Cascavel

Reportagem: Tissiane Merlak

Foto: Vandré Dubiela

 Quem circula pela BR-277 já deve ter percebido que o posto de fiscalização da PRF (Polícia Rodoviária Federal) em Cascavel está temporariamente desativado. A estrutura será destruída e refeita por conta da duplicação do trecho até o acesso ao Distrito de São João do Oeste. Mas a pergunta que todos devem estar se fazendo é: para onde foram todos aqueles veículos apreendidos que estavam amontoados naquele local?

De acordo com informações do setor de comunicação da PRF em Cascavel, os automóveis e motocicletas foram levados para um pátio na Ferroeste. Ao todo foram para lá 535 veículos, entre motos, carros, caminhões e ônibus.

Segundo o policial rodoviário federal, Alysson Vidor, existe a previsão de leilão dos veículos apreendidos já para o fim deste mês. “Ainda não temos dados concretos de datas, quantos lotes serão disponibilizados ou mesmo valores. Isso deve ser definido nos próximos dias, mas com certeza dará um respiro maior no pátio que estamos utilizando atualmente”.

Questionado em relação à capacidade de armazenamento de veículos da PRF, Vidor cita que como o posto está passando por uma readequação, o que deve ser normalizado somente no ano que vem, não há uma quantidade considerada limite. Segundo ele, o ideal é que quanto menos veículos fossem deixados sob a custódia da polícia, melhor. “Um dos exemplos são os carros e motocicletas apreendidos por conta de pendências em documentação. O proprietário tem um prazo legal para isso, porém muitas vezes o valor devido é maior do que o valor do bem”.

Outro órgão que está realizando o seu segundo leilão deste ano é a Cettrans (Companhia de Engenharia de Transporte e Trânsito). De acordo com o presidente da Companhia, ontem foram leiloadas 166 motocicletas. “Hoje ocorre outro leilão, desta vez focada nos automóveis e sucatas. Serão 65 carros e outros cinco lotes compostos por dez sucatas cada, usados para desmanche”.

Segundo Pelissaro, a capacidade do pátio usado pela Cettrans oscila de 800 a mil veículos. “A ocupação atual é de 600, entre automóveis e motocicletas. Mas justamente para não extrapolar esse limite, é que procuramos fazer leilões constantes”.

Conforme o presidente, o proprietário do veículo apreendido tem todo prazo e chance para ser retirado do local. “É dado um prazo legal e, se o dono não tomar as providências cabíveis, o veículo será levado a leilão”.

Apreensões

Dentre os motivos para apreensões nas ruas de Cascavel estão o excesso de multas e a falta de pagamento de impostos. “Somente no mês de abril, por exemplo, durante as blitzes feitas nas ruas de Cascavel, 300 veículos foram encaminhados ao pátio da Cettrans”. Existe, conforme o presidente, casos de um bem apreendido com mais de R$ 10 mil em multas e valor de mercado de menos de R$ 3 mil.

Questionado em relação à arrecadação, Pelissaro conta que primeiramente os valores arrecadados no leilão são usados para quitar as multas, as diárias de pátio e consequentemente parte é repassada aos cofres da Cettrans. “Em janeiro deste ano fizemos o leilão de 270 veículos, 70% dos lotes foram arrematados. A arrecadação total foi de R$ 350 mil e, 5% desse valor foram repassados à Companhia”.

 

 

Deixe uma resposta