SPC: Menos cascavelenses com o nome sujo

Quando os gastos se tornam maiores do que a própria renda, ou mesmo a mudança na rotina financeira com a perda de um emrpego,  o resultado é a inclusão do nome de devedores em bancos de dados como o SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) ou Serasa.

No ano passado houve estabilidade no número de pessoas que não honraram os prazos de pagamentos de compras parcelas e que foram incluídas no sistema em Cascavel. De 52.385 registros em 2015 o total subiu para 52.202 após um ano.

Em relação aos consumidores que quitaram os débitos e conseguiram limpar o nome, foi registrado um aumento de 4%. Em 2015, 31.307 pessoas saíram da lista de devedores e no ano passado, segundo a Acic (Associação Comercial e Industrial de Cascavel), o total subiu para 32.624. O resultado pode apontar para uma mudança no cenário da economia.

O vendedor Sidnei Muller viveu o desespero de ter o nome em cadastros de devedores. Ela comenta que naquele momento os débitos não eram altos e que buscou o mais rápido possível resolver a pendência financeira. “Uma vez tive restrições por uma compra de R$ 180 que não foi paga, mas consegui limpar meu nome e sair do banco de devedores”, diz ele.

Apesar disso, o vendedor voltou a ter preocupações que lhe tiram o sono. “O maior problema é com o cartão de crédito e os juros que são rotativos”, desabafa.

Para se ver livre desse pesadelo, ele decidiu recorrer a um empréstimo. “Estou tentando um acordo, mas preciso de pelo menos R$ 5 mil para colocar todas as contas em dia”, comenta Muller.

 

Consultas

Nos dois primeiros meses de 2017 em comparação com igual período do ano passado, houve aumento no número de consultas pelo SPC (Serviço de Proteção ao Crédito).

Em janeiro deste ano, o volume de consultas chegou a 41.289 contra 34.517 de janeiro de 2016, o que representa o aumento de 20%. Já no mês de fevereiro de 2016 foram 37.128 e em fevereiro de 2017 foram 38.540; crescimento de 4%.

 

Inadimplentes

As inclusões no sistema no início deste ano cresceram 4%.  De 4.239 em janeiro do ano passado subiu para 4.413 em janeiro de 2017.

No mês de fevereiro de 2016 foram 4.688 inclusões e no mesmo período deste ano, 3.886; queda de 17%.

Exclusões

As exclusões (consumidores que quitaram débitos) subiram 16% – foram 2.134 em janeiro do ano passado e 2.486 em janeiro de 2017.

Em fevereiro de 2016 haviam sido 2.713 exclusões, em fevereiro deste ano 2.243 baixas. Na lista dos negativados.

Reportagem: Romulo Grigoli

Foto: Vandré DUbiela

 

Deixe uma resposta