Outros casos: Agentes denunciam esquema na PEC

 

Reportagem: Tissiane Merlak

 

Na semana em que o agente penitenciário Sérgio Leandro Correia, de 43 anos, foi preso na Operação Fio de Ouro, desencadeada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), agentes não envolvidos denunciaram ao Hoje um forte esquema de negociação de vagas e ilícitos dentro da unidade.

De acordo com um agente, que por questões de segurança não será identificado, pelo menos mais seis profissionais que trabalham na PEC (Penitenciária Estadual de Cascavel) estão envolvidos nas negociações. “Eles negociam tudo lá dentro, desde drogas, celulares, estoques, tudo. Esses agentes são tão ruins ou piores do que os presos que estão dentro da Penitenciária porque além de se vender por pouco, colocam a vida deles e dos outros profissionais em risco”.

Conforme o agente, um celular custa em média para o preso de R$ 500 até R$ 5 mil, dependendo das configurações. “São agentes infiltrados em várias equipes, muitas vezes com a conivência dos chefes, para faturar um por fora”.

Outra negociação citada pelo servidor é a famosa “compra de vaga”, alvo de inúmeras denúncias no Gaeco e na Corregedoria. “Isso sempre existiu e, enquanto houver profissionais desse tipo sem ter punição, vai continuar existindo”. Segundo o agente, mesmo não possuindo poder de transferência, os agentes corruptos agilizam o esquema para que o preso que pagar seja levado para a PIC (Penitenciária Industrial de Cascavel) ou mesmo seja colocado nos chamados canteiros de trabalho, como os ocorridos durante a reforma da PEC. “Essas vagas, assim como acontece há anos, são negociadas por valores que oscilam de R$ 2 mil a R$ 5 mil”.

A denúncia recebida pelo Hoje, com o nome dos supostos envolvidas no esquema, foi encaminhada ao Gaeco, que deve investigar o caso.

 

 

 

DEPEN

Agente preso será encaminhado para Piraquara

 

Sérgio Leonardo Correia foi preso na quarta-feira acusado de facilitar a entrada de produtos ilícitos na PEC (Penitenciária Estadual de Cascavel). De acordo com a assessoria de imprensa do Depen (Departamento Penitenciário do Paraná) ele é agente penitenciário efetivo, integrante do quadro de servidores, desde 2007.

Conforme a assessoria, a direção do Depen já solicitou a cópia dos autos da prisão em flagrante para imediata instauração de processo administrativo disciplinar pela Corregedoria do Departamento.

Ele deverá ser encaminhado para Casa de Custódia de Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, unidade de ingresso do sistema prisional, e posteriormente, encaminhado para a custódia que tem direito, em unidade própria.

Com Sérgio o Gaeco encontrou 172 gramas de maconha, 22 aparelhos celulares, duas munições, uma quantia em dinheiro e um utensílio de madeira rudimentar comumente utilizado para furar concreto. Além disso, também foi encontrado um pedaço de fio de tungstênio, popularmente conhecido como fio de ouro.

 

Deixe uma resposta