Oficina do Pão retoma as aulas com 40 mulheres

Oportunizar uma fonte de renda extra e capacitar profissionalmente mulheres para o mercado de trabalho. Essa é a meta do projeto Oficina do Pão, promovido pelo Provopar (Programa do Voluntariado Paranaense) de Cascavel em conjunto com a Secretaria Municipal de Assistência Social. Na tarde desta segunda-feira, a primeira das cinco turmas levou para casa os pães que foram produzidos no período da manhã. Segundo Yaçanan, uma das alunas, a intenção é já mostrar os primeiro pães para os amigos e familiares para então iniciar as vendas. “O resultado foi muito bom e o pão está próprio para comércio. Agora, nas próximas aulas, vamos aprender a fazer pães diferentes que podem ser vendidos a preços maiores e isso pode ajudar muito”, ressalta.

Cronograma

As aulas começam as 8h com direito a café da manhã fornecido pelo Provopar. Às 8h15 é iniciado o processo de higienização e, então, literalmente, as alunas colocam a “mão na massa”. A coordenadora do curso, Jéssica Carozza de Souza, explica que cada aula ensina uma técnica diferente de panificação, habilitando a aluna a fazer desde pães caseiros simples a elaboradas cucas. “Iniciamos com os pães caseiros e, depois de certa prática, ensinamos a produção do pão doce, de fubá e a cuca artesanal”, destaca. Ao todo são cinco turmas de oito alunas, que receberão sete aulas, uma vez por semana.

Provopar Solidário

Todos os ingredientes para produção das massas são cedidos pela Cozinha Social do Provopar que, além do curso, ainda oferece cerca de 300 refeições por dia na cozinha social do programa. Para Fabíola Paranhos, presidente de honra do Provopar, é importante que a Oficina do Pão e a Cozinha Social estejam integradas. “É daí que vem a maior parte das alunas. Elas são encaminhadas pelo CRAS (Centro de Referência da Assistência Social) para receber o almoço e acabam saindo de lá capacitadas para um emprego e com possibilidade de geração de renda extra em suas casas, graças à oficina”, ressalta Fabíola.

Certificação

Ao fim das sete semanas de curso, as alunas receberão um diploma, certificando as habilidades adquiridas no período. Para tanto, precisam cumprir no mínimo 75% de presença nas aulas, sendo que quem tiver 100% de presença receberá kits com insumos (como farinha, sal, óleo, açúcar, ovos e fermento) para iniciar a produção caseira dos pães.

 

Deixe uma resposta