Moradores seguem fora de casa em prédio onde houve vazamento de gás

Reportagem: Tissiane Merlak

Foto: Vandré Dubiela

Deve sair nos próximos dias o laudo oficial da Polícia Científica que avaliará as causas da explosão que deixou a estudante de medicina, Maria Luisa Moia Kamei, de 20 anos, com 80% do corpo queimado.

O acidente completa na próxima terça-feira, dia 11, um mês e, até agora, nenhum morador do residencial que fica na Avenida da FAG voltou para casa. Isso só acontecerá quando o laudo for entregue e apontar se houve ou não abalos na estrutura do prédio.

Do lado de fora é possível ver que as paredes que ficaram destruídas já começaram a ser reconstruídas. Mas, a fita de isolamento do Corpo de Bombeiros ainda está nos portões, indicando que “ninguém pode entrar”.

De acordo com a assessoria de imprensa da Sesp (Secretaria Estadual de Segurança Pública e Administração Penitenciária), o laudo ainda não foi concluído, o que deve acontecer na próxima semana.

Na sequência ele será encaminhado ao delegado responsável pelo caso, Luiz Rogério Sodré. Segundo a assessoria de imprensa da 15ª SDP (Subdivisão Policial) em Cascavel, o delegado só vai se manifestar após a análise do material que será entregue.

A explosão aconteceu na manhã do sábado, 11 de março, nas primeiras horas da manhã, quando a estudante do curso de medicina Maria Luisa teria ligado a torneira da pia, possivelmente para fazer o café, causou uma explosão por conta de um vazamento de GLP (Gás Liquefeito de Petróleo). Antes da explosão, que pôde ser ouvida há mais de três quarteirões de distância, vizinhos relataram que sentiram cheiro de gás. O residencial possui gás encanado e, somente com a conclusão do laudo, será possível dizer se o vazamento ocorreu na tubulação ou no apartamento da jovem.

Maria Luisa permanece internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Evangélico de Curitiba. Ela respira com ajuda de aparelhos, mas já conseguiu abrir os olhos e acenar com a cabeça. As queimaduras estão estabilizadas, mas ela ainda corre risco de morte.

 

 

Deixe uma resposta