Hospital Universitário realiza projeto de Contação de Histórias

Muitos pacientes ficam debilitados e tristes por estarem em um leito de hospital, além das crianças, os adultos também gostam de se sentirem amados e rodeados de pessoas alegres. Por isso, a coordenadora de Consignados do Hospital Universitário Lairê Kielek, se interessou em desenvolver o projeto de Contação de Histórias para Humanizar a Hospitalização do Paciente, destinado aos adultos.

Quando Lairê visitou um Congresso no ano de 2015 em Curitiba, conheceu o trabalho da Casa do Contador de Histórias. Se interessando pelo trabalho, percebeu que seria um ótimo projeto para desenvolver dentro do hospital. “Depois de um tempo, consegui apoio, fizemos o curso de contador de histórias na mesma casa. Quem participou comigo reconheceu como seria essa forma de humanizar. Então, logo colocamos em prática”.

Esse projeto, que foi desenvolvido no ano passado tem mais quatro participantes que contam fábulas para os pacientes adultos, Keylle da Silva, Lucia Cândido, Marisete Menegon e Sandra Pompeo. As voluntárias atendem as alas F2 e G3, onde realizam duas contações por mês, uma em cada ala, com lendas, contos e fábulas de grandes escritores, como os Irmãos Grimm. “Queríamos fazer diferente, e pensar que não é só criança que gosta de histórias, talvez o adulto goste mais ainda de ouvir”, comenta Lairê.

A paciente Joselia de Andrade, 54, relata que adorou ouvir as histórias e a fez relembrar da sua infância. “Eu adorei, lembrei da minha infância e dos meus filhos, eu também contava histórias e cantava para eles”. Segundo ela, esse projeto é bom para quem não quer apenas ficar num leito de hospital.

Para narrarem essas lendas e fábulas, as componentes do grupo se caracterizam com um avental colorido e chapéu de arlequim, que tem como intuito relembrar os sonhos da infância de cada adulto. Para a Coordenadora, o que mais a realiza é ver a emoção dos pacientes ao ouvi-la. “Quando os vejo emocionados é muito gratificante, é um momento que os ajudamos a esquecerem dos problemas e o resultado é muito maior do que imaginamos”.

Deixe uma resposta