Golpe: Empresas recrutam jovens indevidamente

Conseguir o tão sonhado “primeiro emprego”. Essa é a oferta de uma empresa de treinamento de jovens que está recrutando pessoas indevidamente. A denúncia foi feita ao MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), que investiga quantas pessoas já foram vítimas da empresa.

De acordo com o auditor fiscal do trabalho, Luiz Carlos Andrade, a empresa, que seria uma franquia que atua em outras cidades também, estaria ligando para alguns pais oferecendo um curso de aprendizagem. “Eles chamam os responsáveis até o escritório, convencem-nos a assinar um contrato para que o jovem faça um curso, que tem duração de um a dois anos com custo mensal entre R$ 200 a R$ 300 e, como não são autorizados e a pessoa não consegue colocações ou o curso não é oferecido, os jovens acabam reclamando seus direitos”.

Conforme o auditor, ao chegar na empresa, como eles têm um contrato, é cobrada uma taxa referente a uma multa de 10% do valor do mesmo. “Isso é totalmente ilegal, uma vez que as empresas responsáveis e autorizadas a oferecer esses treinamentos não cobram valor algum do jovem. Todo processo de aprendizagem é de responsabilidade da empresa e o custo médio é de R$ 90 por pessoa, e não mensal”.

Luiz destaca que em Cascavel seis empresas podem ofertar os cursos de aprendizagem: Guarda Mirim, Gerar, Senai, Senac, FAG e CIEE. “Os interessados podem fazer cadastro nessas empresas ou ainda na Agência do Trabalhador”.

Questionado em relação à punição para a empresa que se utilizar do projeto indevidamente, Luiz disse que os responsáveis são chamados para firmar um ajustamento de conduta sob pena de uma multa altíssima. “Se eles não aceitarem, será instaurada uma ação civil pública para investigar o caso”.

A orientação, segundo o auditor, é de que as pessoas que se sentirem lesadas ou ainda que forem procuradas por qualquer empresa que queira cobrar pelo curso de aprendizagem, que procurem o Ministério do Trabalho ligando para o telefone (45) 3902-2404.

Deixe uma resposta