Falta estrutura: 200 indústrias à espera de novos núcleos

 

Apesar de abrigar 1.896 indústrias de pequeno, médio e grande porte, falta estrutura para que outras 200 se instalem em Cascavel, inclusive nos dez parques e nove casulos industriais disponíveis no município.

Conforme a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, no momento não é possível alocar todas as empresas, que permanecem numa espécie de fila de espera. A implantação só deve ocorrer após levantamento de novas áreas para núcleos industriais. O município não informou quando as novas empresas vão ser instaladas, mas afirma que este é um processo de médio e longo prazo.

Expansão

Expandir esses locais é um dos desafios. Conforme a secretaria há projeto para implantação de novos parques industriais na BR-277, numa área de 1,5 milhão de metros quadrados. “Neste caso, o levantamento topográfico para retificação da área já foi realizado, a fim de que seja elaborado projeto urbanístico”, explica o secretário da pasta, João Alberto Soares de Andrade.

Outro espaço para que novas empresas e indústrias possam fortalecer a economia local são dois lotes no Jardim Esteves, próximo à BR-467. Conforme Andrade, o projeto foi encaminhado ao Departamento de Compras da Prefeitura de Cascavel para a abertura de disputa pública.

Além disso, o Núcleo de Produção Industrial III – Alan Charles Padovani, terá as ruas Paulo Leminski e Carlos Drummond de Andrade prolongadas. A ampliação é referente aos lotes 01 e 10.

POTÊNCIA

Quase 9 mil trabalhadores na indústria

A Indústria da Transformação em Cascavel gerou 8.767 empregos formais de janeiro a dezembro de 2016, de acordo com dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego. “A economia regional é baseada no agronegócio, comércio e prestação de serviços. Sede de várias cooperativas agroindustriais e indústrias do ramo alimentício, Cascavel vem experimentando também um rápido crescimento em outros setores, como a metalurgia e a confecção”, diz Andrade.

Apesar do número significativo de trabalhadores com carteira assinada, o setor foi também um dos que mais demitiu ao longo do ano passado. Foram quase dez mil desligamentos somente na indústria, que encerrou 2016 com o fechamento de 451 postos de trabalho no setor. O segmento só se manteve acima da geração de empregos no comércio e serviços, que juntos tiveram mais de 30,7 mil demissões no ano. O índice é reflexo da crise econômica nacional, que afetou em cheio os trabalhadores formais, que viram o fantasma do desemprego bater à porta de mais de 12 milhões de brasileiros.

 

Saiba onde ficam os Parques e Casulos Industriais

Condomínio Núcleo de Produção Industrial de Cascavel – Walpides Ross – Guarujá: BR 277, Km 600 – 27 empresas

Distrito Industrial – Domiciano Theobaldo Bresolin: BR-277 – 20 empresas

Condomínio Núcleo de Produção Industrial II – Cataratas: BR-369, Km 524 – 23 empresas

Núcleo de Produção Industrial III – Alan Charles Padovani: BR-467, Km 10 – 13 empresas

Distrito Sede Alvorada: Avenida Oscar Stein – BR-467 – Chácara 38 – 6 lotes – 4 empresas

Condomínio Industrial Albino Nicolau Schimdt: BR-277, Km 599 – 32 empresas

Distrito Industrial José Antônio Merlin – Morumbi: BR-369 – 32 empresas

Loteamento Cavan – Parque São Paulo: Parque São Paulo – 3 empresas

Núcleo Industrial João Batista Cunha – Jaborá: Avenida Piquiri – 14 microempresas

Cidade Industrial e Tecnológica de Cascavel – Citvel I – Adão Francisco Schuab Gasparovic: BR-277, Km 574 – 6 empresas

 

Como fazer parte de um núcleo?

Antonio José de Almeida e Domingos Salvatti possuem uma indústria de embalagens há quase 30 anos, e escolheram o Núcleo de Produção Industrial de Cascavel Walpides Ross, no Bairro Guarujá, para ampliar os negócios. São 1.050 metros quadrados de área construída, dez empregos diretos e uma cartela com mais de 500 clientes. “Começamos com a fábrica na Rua Cuiabá, e após dois anos decidimos mudar para o núcleo. Aqui conseguimos aumentar o espaço e a produção”, diz o sócio-proprietário Antonio de Almeida.

A instalação de uma indústria nos parques é feita por meio de leilão público do imóvel. “Se a empresa se enquadrar ganha isenções fiscais. Estamos estudando alterações nessa modalidade com o objetivo de facilitar o acesso das empresas com a revisão do programa”, explica o secretário.

O Município só faz a venda de imóveis nos parques industriais. Em casos específicos é feita a partir de tramitação na Câmara de Vereadores, como no caso de ceder o terreno para uma grande indústria. Nesse caso é preciso termo de comodato ou outra modalidade.

A legislação de instalação é igual para todas as empresas. O que muda é o direcionamento dado pelo Plano Diretor. Os parques têm uma legislação específica de ocupação, voltada para a atividade industrial.

Reportagem: Marina Kessler

Fotos: Lorena Manarin

 

 

 

Deixe uma resposta