Caged: Contratações formais reaparecem e a região Oeste cria 774 novas vagas

Conhecido como um mês menos aquecido para o comércio, foram outras forças de trabalho, como os serviços, a indústria da transformação e a construção civil, que fizeram com que apenas uma das seis cidades da região avaliadas pelo Caged (Cadastro Gerald e Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho e Emprego fechasse o primeiro mês do ano com mais demissões do que contratações.

Foz do Iguaçu perdeu 74 postos de trabalho. Entre os segmentos que mais demitiram está o comércio, onde os desligamentos ultrapassaram as contratações em 124 postos. Por outro lado, Medianeira tem quase metade do resultado positivo regional, que alcançou 774 novas oportunidades regionais, e, sozinha, criou 353 novos postos de trabalho. Destaque aqui para o setor de serviços (277 contratações) e a indústria (61).

Em segundo lugar está a vizinha cidade de Toledo com 206 ocupações criadas. Lá, somente a indústria realizou 252 novas efetivações. Vale lembrar que alguns segmentos demitiram mais do que contrataram, por isso o resultado foi menor do que as ocupações criadas pela indústria.

Em terceiro lugar está Cascavel com 191 novos postos de trabalho, após ter registrado, em 2016, o pior cenário da empregabilidade local dos últimos dez anos. Na cidade a indústria viabilizou 161 novas carteiras assinadas e a construção civil, dando indícios de um reaquecimento da economia, 147.

Marechal Cândido Rondon vem na sequência com 56 novos postos gerados em janeiro de 2017. A indústria também foi a mola propulsora das efetivações formais. Assis Chateaubriand contabilizou no mês retrasado 43 novas ocupações com carteiras de trabalho além das existentes. Por lá destaque para a indústria e a agropecuária.

COMPARATIVO

Se comparado o desempenho regional nos meses de janeiro de 2016 e 2017, percebe-se neste último um aumento de 93% nas contratações formais. No primeiro mês do ano passado as seis cidades somaram 401 novas contratações.

Estado e Brasil

No Paraná foram criadas no primeiro mês deste ano 4.973 novas oportunidades de trabalho. Um cenário considerado bom pelos especialistas, se considerados os resultados do ano passado. Já no Brasil o desemprego continua avançando. No primeiro mês do ano foram fechadas 40.864 ocupações formais, com carteira assinada.

Texto: Juliet Manfrin

Foto: Vandré Dubiela

Deixe uma resposta